Mudar de voz

A revolução surgiu vezes sem conta este ano no teatro português. Mas não foi apenas o tema de vários espectáculos: o teatro português está a trocar o discurso pelos gestos, as palavras pelas acções, os efeitos pelos afectos.

890883

O ano começou sob o signo da memória política, com Coriolano, de Nuno Cardoso, tendo por cenário a escadaria das manifestações em frente à Assembleia da República.

Ainda em Janeiro, o Teatro do Vestido estreou em Viseu Retornos, Exílios e Alguns que Ficaram, sobre as memórias dos retornados das ex-colónias portuguesas em África. E estavam para vir duas grandes produções sobre o início do século XX português: Tropa-Fandanga, no Teatro Nacional D. Maria II (TNDMII), e Al Mada Nada, no Teatro Nacional São João (TNSJ), que, através do teatro musical e das suas formas populares, revivificadas, respectivamente, pela irreverência do Teatro Praga e de Ricardo Pais, actualizavam, por assim dizer, a Primeira Guerra Mundial e a geração de Orpheu.

Nem tudo era festa: Tropa-Fandanga recuperava o discurso viral de Joana Manuel sobre a geração perdida destes anos 10 e Al Mada Nada terminava com uma evocação de Bella Ciao, hino do movimento operário italiano. O mesmo tema apareceu em Setembro, na versão de Gota d’Água, de Chico Buarque, que Luísa Pinto encenou no Constantino Nery, em Matosinhos, com direção musical de Carlos Tê. Em Abril, O Bando esteve na TSF na madrugada de Abril, num simulacro de ocupação que chegou a confundir alguns ouvintes. Sérgio Godinho, que tinha canções em Tropa-Fandanga, criou um concerto — Liberdade — a convite do então director do São Luiz, José Luís Ferreira. Em Maio, estreou-se Marx na Baixa, a versão portuguesa de Marx in Soho, de Howard Zinn. Em Junho, na Culturgest, Le Capital, de Sylvain Creuzevault, trouxe de novo Karl Marx, e a revolução de 1848, à cena. Depois disso, ainda estrearam, Pílades, da Cornucópia; Bzura, da Palmilha Dentada; Onde é que eu já vi isto, perguntou ele, do Cendrev; Como Assim Levantados do Chão?, de Miguel Castro Caldas, com Carlos Marques; Nova, Caledónia, de Miguel Loureiro e André Guedes. E finalmente, dando algum sentido a tudo isto, o Teatro do Vestido voltou à carga em Novembro, com o seu Museu Vivo de Memórias Pequenas e Esquecidas, em cujo programa, citando Paula Godinho, se lia que “em Portugal, na ausência de uma Comissão da Verdade e Justiça, ou algo semelhante, são os activistas, os cientistas sociais, os historiadores, bem como os artistas, quem tem levado a cabo esse paciente trabalho de reconstituição”.

A maioria dos artistas que fez estes espectáculos não tem memória da revolução. É um teatro feito pelas testemunhas inconscientes dos anos 70, que buscam não a memória mas o sonho colectivo. Os criadores que saíram à rua no 25 de Abril estão, aliás, a passar o testemunho. Talvez por isso os melhores espectáculos desta safra sejam os alusivos, que abrem caminho numa zona de utopia, e não os que se fecham sobre si mesmos, ora tratando a História directamente, ora banhando-se nas tintas da alegoria. Sem as alusões que permitem ligar a experiência de um destino comum à experiência de uma actualidade fragmentária, a teatralidade ficaria num impasse, incapaz de se constituir enquanto cena ou espaço de transformação.

O conteúdo está na forma, a posição política está no dispositivo — o conjunto de regras que determina quem faz o quê no jogo teatral, espectador incluído. O melhor teatro português deste ano pôs ao mesmo nível o explícito e o implícito, o que é ouvido e o que é visto, o pessoal e o público. O texto surge como matéria corporal, de autoridade relativa. Cria-se a partir de documentos e depoimentos, muitas vezes de biografias, que reforçam a relação sensorial, emotiva e empírica com a cena. Apresentar a fábula, em vez de representar, é palavra de ordem. O que os actores fazem nestes espectáculos é sempre pessoal. Em momento algum são postiços, nem mesmo quando a máscara que colocam é muito diferente da vida quotidiana.

Os espectáculos portugueses desta lista traduzem bem alguns destes aspectos. Rogério de Carvalho, cuja encenação encabeça o balanço do Ípsilon, não é novato nestas andanças: Quatro Horas em Chatila e Os Negros, por exemplo, já punham o dedo na ferida pós-colonialista europeia, cujas cicatrizes vão do Médio Oriente à África Ocidental e mais além. Neste espectáculo, apurou o método e encontrou um texto ideal para a sua visão de teatro: As Verdadeiras Confissões de um Terrorista Albino permitiram-lhe traduzir o texto numa realidade cénica distinta, para recriar o horror numa zona de não-dito, porque “o que tem lugar não se pode dizer com a língua que se fala vulgarmente”, como afirma.
Oficiais e interinos

As mudanças de forma estão a ser acompanhadas por mudanças no acesso aos meios de produção, algumas ocorridas este ano, que se prevêem duradouras. A nomeação de Tiago Rodrigues, no TNDMII, com Miguel Honrado na administração; de Tiago Guedes, no Rivoli e no Campo Alegre, com Paulo Cunha e Silva na vereação; e de Gonçalo Amorim, no FITEI (e no TEP desde 2013), são importantes: sucedem a directores e administradores muito mais velhos (João Mota, Filipe la Féria, Mário Moutinho e Júlio Gago) e têm mais cumplicidade entre si do que os veteranos. As expectativas de cooperação entre Miguel Honrado, Tiago Rodrigues, Mark Deputter e quem quer que fique no São Luiz e no Centro Cultural de Belém (CCB) são grandes. No Porto, o mesmo se espera entre Tiago Guedes, Gonçalo Amorim e Nuno Carinhas, ou quem estiver no TNSJ no fim de 2015.

O sistema passará a funcionar de modo mais coeso, atingindo um novo ponto de equilíbrio, com espectáculos e criadores dentro de um circuito nacional de teatros públicos e municipais, e redes financiadas por programas europeus. Os espectáculos estarão cada vez mais adaptados à circulação, por um lado, e aos critérios de programação (interactividade, formação, inclusão, etc.), por outro. O perigo é que fique tudo igual, as obras e experiências homogeneizadas.

Está ainda muito por definir: o São Luiz entrará em 2015 sem director artístico? O CCB sem director do centro de espectáculos? A DGArtes sem subdirector? Continuarão na gaveta as shortlists para director (há mais de meio ano) e subdirector (há mais de um ano)? Face a este panorama de direcções interinas, o Porto parece um oásis, com o Teatro Rivoli e o Teatro Campo Alegre devolvidos à cidade, como se esperava, a nova sala da Mala Voadora com programação regular, e o TNSJ sempre firme, contra as adversidades. Os concursos de apoio às artes que abrirão a todo o momento, já muito atrasados, vão condicionar os próximos anos. Muitos dos criadores que estão a renovar a cena portuguesa irão a concurso. Só no fim de 2016, porém, quando acabarem os programas de apoio quadrienais, saberemos quão longe foram as mudanças iniciadas este ano.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: