Um memorial do music-hall

514945

Music-Hall
de Jean Luc Lagarce
TeCA, 13 de Fevereiro, 21h

Rogério de Carvalho e Jorge Ribeiro têm uma parceria que é das mais duradouras, consistentes e criativas do teatro português. A mesma cumplicidade têm As Boas Raparigas com o encenador. A expectativa em torno de uma montagem de Music-Hall, de Lagarce, uma peça sobre todas as peças de teatro, e como elas se vão construindo enquanto se apresentam, e reconstruindo depois, mais tarde, na memória, é compreensível.

Vejam as fotos do Paulo Pimenta aqui.

O texto é a reconstituição de um espectáculo, contada ao público pelos seus actores, em especial pela Rapariga, artista de variedades, que protagoniza, por assim dizer, o espectáculo, e domina a peça o tempo quase todo, mas também, ocasionalmente, pelos seus partenaires.

Com ecos das peças de Beckett, em especial À Espera de Godot, pelo lado das lembranças de números do music-hall, mas também de Horovitz, em particular o texto precisamente intitulado Didascálias, Lagarce consegue o feito de criar uma cena a partir da memória da cena, e com isso sublinhar o modo como actuar, no teatro, é uma metáfora das actuações na vida real. Claro, o teatro também é real. Este espectáculo é sobre todos os espectáculos, mas é também sobre a vida comum.

O espectador rever-se-á na situação encarnada por Maria do Céu Ribeiro, António Júlio e Paulo Mota. Para isso concorrem a destreza dos actores, capazes de desferir golpes com as palavras na consciência de cada membro do público.

O encenador levou os actores a encontrarem o seu caminho no labirinto de relatos de Lagarce, de modo a que se apropriem do texto e a cena emirja dessa apropriação, sem mais efeitos. Não só o espaço e os actores são iluminados. É sobre a narrativa que incide a luz desenhada por Jorge Ribeiro, criando significados não-verbais que completam as palavras, sim, mas também o tom, o sentido, a ironia e a comoção jogados pelo pequeno elenco.

Rogério de Carvalho foi encontrando na sucessão de cenas criadas pela iluminação uma outra memória de vários espectáculos, concretizando uma espécie de comentário aos shows de variedades que a Rapariga evoca.

No final do espectáculo, é evocada uma actuação, ou uma série de actuações, perante uma plateia vazia. O mundo todo é trazido para a cena. O espectáculo reproduz um universo que se basta a si mesmo, paralelo ao universo real, em que o público tem um lugar, como se um espectáculo de teatro fosse um microcosmos.

A peça parece querer levar o espectador a perguntar-se qual o seu papel no meio disto tudo. Como obra de ficção, por um lado, e experiência real, por outro, o texto de Lagarce é uma pérola da dramaturgia contemporânea, que provoca o espectador e, eventualmente, o fará assumir as suas responsabilidades, ou pelo menos reflectir sobre elas. A encenação de Rogério de Carvalho materializa esse gesto inicial do autor e, com o desenho de luz e as falas dos actores, supera-o.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: